Meus pensamentos de 2017 sobre teoria queer e coisa e tal
Por B. | 12/02/2020

Fazendo uma faxina na papelada velha, encontrei essa anotação de 2017 feita num caderno onde eu costumava escrever algumas reflexões aleatórias:

“O movimento queer brasileiro é de fato uma repetição do estrangeiro colonizador, como dizem seus críticos, ou são justamente aqueles que se propõem a interpretá-lo sob uma perspectiva acadêmica que pecam ao analizá-lo sob uma ótica limitada, pré-concebida e importada? A questão aqui é o objeto ou sua pretensa teoria? Muito se escreve sobre a necessidade de uma teoria própria, mas quanto (e com qual qualidade) dessa teoria se produz efetivamente? A prática, por suas exigências no dia-a-dia, já se encontra avançada em sua adaptação e originalidade. Da teoria, é necessário um esforço deliberado para que esta alcance uma visão mais realista dessa prática.”

voltar | Textos | Nenhum comentário | | sobre | links



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *