Uma cena
Por B. | 30/04/2020




“Ali!”
Por B. | 29/04/2020




Besouro Hércules
Por B. | 28/04/2020

Dynastes hercules lichyi




Sem dó de enrugar a folha do caderno
Por B. | 23/04/2020

Eu queria que as canetas neon que usei nas luzes aparecesse no scanner, mas o resultado ficou bom.




O dia em que tirei Omari do sério
Por B. | 22/04/2020

Em setembro do ano passado, fui com minha família e amigues num duelo de vogue. Vibrei e estalei os dedos para dezenas de voguers explodindo performatividades em performances por sei lá quantas mil categorias até que por meados da noite duas competidoras se estranharam no palco. Era a categoria “femme figure”, dedicada a mulheres cis e trans conforme me explicou uma amiga especialista no assunto. O quase arranca-rabo disfarçado de quase dança foi interrompido pelo juri gringo, convidado especialissimamente pra nos trazer seu conhecimento de causa, pelo bem da segurança… dos tradicionais papéis de gênero. Pois eis que a justificativa dada pelo senhor gringo é que se as moças quisessem, podiam catfight, podiam ser delicadas, suaves, graciosas para brigar mas que a agressividade pertencia a outras categorias que davam espaço para uma certa masculinidade. Eu e minha gangue ao redor franzimos os narizes imediatamente. Passamos o resto da noite do lado de fora problematizando e compartilhando nosso estranhamento.

Quando a ball chegou ao fim, me esgueirei para o bastidores e lá encontrei o Exmo. Senhor Jurado Gringo. Arranhei um “can I talk to you?” e aguardei pacientemente que ele terminasse de fazer o social. Quando ele pode vir para o canto me dar atenção, expressei com a melhor pronuncia que consegui a minha intenção de trocar idéias sobre a construção daquela festa, parte de uma cultura maravilhosa que nós criamos juntes etc. E questionei se nós, pessoas que vivem para além das regras de gênero e sexualidade, deveríamos mesmo nos prender às amarras que nos oprimem. O Sr. começou a resposta com “Esse é o problema com um mundo hoje!”, numa réplica perfeita de conservador indignado. E segundo ele, cultura de balls não é cultura LGBT e que eu não podia ir falar com uma lenda – ele gesticulou apontando de cima a baixo de seu corpitcho de dançarino para ressaltar “a legend” – e dizer que temos que mudar tradições. What? Por que não se tradições são construções e mudam o tempo todo ao longo da história? E segundo ele, não, não mudam. E trocamos alguns “they do” e “they don’t” num debate improdutivo até que ele disse que não era com ele que eu deveria debater já que a tal categoria não era “dele” e ele só tinha sido porta-voz do recado que a outra jurada gringa, representante da categoria, queria dar. E que eu estava perturbando-o num momento que deveria ser descontração pós-festa. Pedi desculpas sarcásticas à Lenda, pois sofro desse mal. A conversa com ela foi bem mais tranquila, mas concordamos em discordar.

Gênero e tradições são construções e quem os constrói? As pessoas. Para quem? Se não for para as próprias pessoas, qual o sentido? E podemos até brincar de separar cultura de ball de cultura LGBT, mas oras quem é que cria, mantém e vive a cultura de balls? Aliás, várias balls já pensam suas categorias e regras de forma muito mais ousada. Ignorar o potencial questionador da cultura das balls não só não faz sentido em relação ao seu público, como é simplesmente inútil. A comunidade LGBT se tranforma, as regras se transformam, as culturas se tranformam como se transformaram o drag, as balls, o vogue, nossa sigla, a sagrada instituição do casamento, as leis contra “sodomia”, o gênero. Pena que o Sr. Gringo não queira celebrar o quanto somos bons nisso nem reconhecer o quanto precisamos, mas whatever. Segue o baile!




Tardigrada
Por B. | 21/04/2020

Tardigradas são animaizinhos que medem por volta 0,5mm, vivem na água, podem hibernar congeladas por 30 anos, sobreviver no vácuo no espaço, resistir a radiação, suportar -200ºC e 151 ºC. É sério!




Tradução de “Heavy balloon” da Fiona Apple
Por B. | 20/04/2020

O novo álbum maravilhoso da Fiona Apple saiu depois de 8 anos de espera sem espaço para decepções. Vou arriscar uma tradução aqui porque acho importante que se fale sobre certas coisas. Músicas sobre depressão escritas por quem sabe do que fala falam diretamente com quem sabe do que estão falando. Se é que você me entende.


Balão pesado

Pessoas como nós, nós brincamos com um balão pesado
Nós o mantemos no alto pra manter o mal afastado, mas ele sempre cai muito rápido

Eu me espalho como os morangos
Eu escalo como as ervilhas e feijões
Eu estou sugando há tanto tempo
Que estou arrebentando as costuras

No meio do dia, é como o sol
Mas aquele do Saara, me encarando lá embaixo
Forçando todas as formas de vida em mim a se recolherem no subsolo
Cresce sem piedade como o dente de um rato
Simplesmente continua me roendo
E se contrai como uma jiboia em uma mangueira, nada flui
Então a pressão cresce ao invés da semente

Pessoas como nós ficam tão pesadas e tão perdidas às vezes
Tão perdidas e pesadas que o fundo é o único lugar que conseguimos encontrar
Você é arrastada pra baixo, pra baixo para o mesmo lugar tantas vezes seguidas
O fundo começa a parecer o único lugar seguro que você conhece
Mas quer saber?

Eu me espalho como os morangos
Eu escalo como as ervilhas e feijões
Eu estou sugando há tanto tempo
Que estou arrebentando as costuras

Heavy balloon

People like us, we play with a heavy balloon
We keep it up to keep the devil at bay, but it always falls way too soon
People like us, we play with a heavy balloon
We keep it up to keep the devil at bay, but it always falls way too soon
People like us, we play with a heavy balloon
We keep it up to keep the devil at bay, but it always falls way too soon

I spread like strawberries (I spread like strawberries)
I climb like peas and beans (I climb like peas and beans)
I’ve been sucking it in so long
That I’m busting at the seams
I spread like strawberries (I spread like strawberries)
I climb like peas and beans (I climb like peas and beans)
I’ve been sucking it in so long
That I’m busting at the seams

In the middle of the day, it’s like the sun
But the Saharan one, it’s staring me down
Forcing all forms of life inside of me to retreat underground
It grows relentless like the teeth of a rat
It’s just got to keep on gnawing at me
And it constricts like a boa on a hose, nothing flows
So the pressure grows instead of the seed

People like us get so heavy and so lost sometimes
So lost and so heavy that the bottom is the only place we can find
You get dragged down, down to the same spot enough times in a row
The bottom begins to feel like the only safe place that you know
But you know what?

I spread like strawberries (I spread like strawberries)
I climb like peas and beans (I climb like peas and beans)
I’ve been sucking it in so long
That I’m busting at the seams
I spread like strawberries (I spread like strawberries)
I climb like peas and beans (I climb like peas and beans)
I’ve been sucking it in so long
That I’m busting at the seams

(I spread like strawberries), I spread like strawberries
I climb like (I climb like peas and beans)
I spread like strawberries
I climb like peas and beans
I spread like strawberries
I climb like peas and beans (That I’m busting at the seams)
I spread like strawberries
I climb like peas and beans




Calliphoridae
Por B. | 11/04/2020

Um close do rostinho fofo da mosca varejeira. Arrisquei a interpretação de um ângulo que ainda não tinha visto em foto.




MARCH OF ROBOTS 2020 – sketchbook tour
Por B. | 06/04/2020


O monstro
Por B. | 01/04/2020

Enquanto eu pintava robôs no último mês, uma fenda que se abria no espaço-tempo acabou de rachar a lógica e nossas fantasias de futuro distópico se materializaram ao completar sua fusão com as noções de uma era medieval que já voltava a galope nesse quadro sócio-político-cultural surrealista. E agora estamos aqui, uma civilização manipulada por bots confinada numa Terra plana vigiada por câmeras com uma praga letal nas ruas. É primeiro de abril e as coisas mais inacreditáveis são verdade.







posts do antigo blog